Qual a maior distância percorrida por um raio? E a maior duração?

Qual a maior distância percorrida por um raio? E a maior duração?

junho 25, 2020 0 Por Beatriz Silva

Imagine a seguinte situação: você está na rua, olhando para o céu. Ele está limpíssimo, não há uma nuvem sequer… Mas aí , de repente, você vê um raio!

Será que isso é possível de acontecer? É sim! Trata-se de um fenômeno raro, conhecido como ‘raio do céu azul’. No ano passado, houve um caso onde mãe e filha foram vítimas do fenômeno meteorológico.

Este tipo de raio não atinge o solo como vemos em dias de tempestade, mas surgem em nuvens de chuva e pode se espalhar de forma horizontal por centenas de quilômetros.

Já falamos um pouquinho sobre os raios neste artigo aqui.

Mas qual a maior distância já percorrida por um raio?

De acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM), 709 ± 8 km foi a maior distância horizontal já percorrida por um raio. O fenômeno ocorreu no sul do Brasil em 31 de outubro de 2018.

Isso é equivalente à distância entre Boston e Washington DC nos Estados Unidos da América ou entre Londres e a fronteira da Suíça perto de Basileia.

O recorde anterior para a maior distância detectada para um único relâmpago foi de 321 km (199,5 milhas) em 20 de junho de 2007 no estado americano de Oklahoma.

Imagem de satélite com extensão recorde do relâmpago, Brasil, 31 de outubro de 2018. Fonte: OMM

O recorde foi divulgado no dia 25/06/2020 e publicado pelas Cartas de Pesquisa Geofísica da American Geophysical Union antes do Dia Internacional da Segurança contra Raios, em 28 de junho.

Além disso, também foi divulgada a maior duração de um único relâmpago: 16,73 segundos a partir de um flash que se desenvolveu continuamente no norte da Argentina em 4 de março de 2019.

O recorde anterior de duração foi para um único relâmpago que durou continuamente 7,74 segundos em 30 de agosto de 2012 em Provence-Alpes-Côte d’Azur, França.

Imagem de satélite da duração recorde do relâmpago, Argentina, 4 de março de 2019

“Esses são registros extraordinários de eventos únicos de relâmpagos. Extremos ambientais são medidas vivas do que a natureza é capaz, bem como o progresso científico em poder fazer essas avaliações. É provável que ainda haja extremos ainda maiores e que possamos observá-los à medida que a tecnologia de detecção de raios melhorar ”, disse o professor Randall Cerveny, relator-chefe de extremos climáticos e climáticos da OMM.

“Isso fornecerá informações valiosas para o estabelecimento de limites à escala de raios – incluindo megaflashes – para questões de engenharia, segurança e científicas”, disse ele.

Outros extremos que foram causados por raios são:

Ataque direto: 21 pessoas mortas por um único relâmpago enquanto procuravam segurança em uma cabana no Zimbábue em 1975.

Ataque indireto: 469 pessoas mortas em Dronka, Egito, quando um raio atingiu um conjunto de tanques de petróleo, causando a queima de petróleo na cidade em 1994.

Tecnologia espacial

As avaliações anteriores que estabeleceram os registros de duração e extensão do flash usaram dados coletados por redes terrestres do Lightning Mapping Array. Muitos cientistas de raios reconheceram que existem limites superiores para a escala de raios que poderiam ser observados por qualquer ML existente. A identificação de megaflashes além desses extremos exigiria uma tecnologia de mapeamento de raios com um domínio de observação maior.

Os recentes avanços no mapeamento espacial de raios oferecem a capacidade de medir a extensão e a duração do flash continuamente em domínios geoespaciais amplos. Esses novos instrumentos incluem os mapeadores geoestacionários de raios (GLMs) nos satélites ambientais operacionais geoestacionários da série R (GOES-16 e 17) que registraram os novos registros de raios e seus homólogos orbitais da Europa (o Meteosat Third Generation (MTG) Lightning Imager ) e China (Imager de mapeamento para raios FY-4).

“Esse aumento dramático de nossas capacidades de sensoriamento remoto com base no espaço permitiu a detecção de extremos anteriormente não observados na ocorrência de raios, conhecidos como ‘megaflashes’, que são definidos como descargas de raios horizontais em escala de mesoescala que atingem 100s de quilômetros de comprimento”, disse o principal autor e membro do comitê de avaliação Michael J. Peterson, do Space and Remote Sensing Group (ISR-2) do Laboratório Nacional Los Alamos, EUA.

Os instrumentos espaciais fornecerão uma cobertura quase global do raio total (flashes intracloud e flashes nuvem-terra). Isso inclui os pontos quentes das Américas para tempestades do Sistema Convencional de Mesoescala (MCS), cuja dinâmica permite que ocorram megaflashes extraordinários – a saber, as Grandes Planícies da América do Norte e a bacia do Prata na América do Sul.

O Arquivo da OMM de extremos climáticos e climáticos mantém registros oficiais do mundo, registros extremos hemisféricos e regionais associados a vários tipos específicos de clima. Atualmente, o arquivo lista extremos de temperatura, pressão, chuva, granizo, vento e raios, além de dois tipos específicos de tempestades, tornados e ciclones tropicais.

Texto traduzido e adaptado. O original se encontra no site da Organização Meteorológica Mundial (OMM).